terça-feira, 1 de outubro de 2019

“Órfãos da Terra” supera duas antecessoras e tem maior audiência desde 2017


Chegou ao fim na última sexta-feira (27) a novela “Órfãos da Terra” na faixa das 18h da Rede Globo. Marcando o retorno das autoras Duca Rachid e Thelma Guedes após seis anos de pausa, o folhetim sobre a luta dos refugiados elevou consideravelmente a audiência do horário.

Em São Paulo, o folhetim dirigido por Gustavo Fernandez sai de cena com 21,8 pontos de média, sendo este o melhor desempenho da faixa desde 2017-18. O crescimento em relação à sua antecessora, “Espelho da Vida”, é de 22%.

No comparativo, a trama supera “Orgulho e Paixão” (21,5), “Flor do Caribe” (21,3), “Sol Nascente” (21,2), “Além do Tempo” (19,8), “Sete Vidas” (19,4), “Joia Rara” (18,4), “Lado a Lado” (18,2), “Espelho da Vida” (17,8), “Meu Pedacinho de Chão” (17,8) e “Boogie Oogie” (17,4). A obra empata tecnicamente com “A Vida da Gente” (21,8), e fica atrás de “Tempo de Amar” (22,6), “Araguaia” (22,9), “Amor Eterno Amor” (23,0), “Novo Mundo” (23,8), “Escrito nas Estrelas” (25,5), “Cordel Encantado” (25,9) e “Eta Mundo Bom” (27,1), entre as novelas exibidas nesta década.

Pelo Brasil, “Órfãos da Terra” fez bonito. Em Recife, cravou 29,9 pontos na média final, seguida de Porto Alegre (27,7) e Florianópolis (24,5). Já a pior capital do folhetim foi em Goiânia, com apenas 13,3 pontos. Brasília e Manaus foram as únicas praças onde a trama não elevou a audiência de “Espelho da Vida”. Na primeira, teve 17,4 pontos, ante 17,9 da antecessora. E na segunda, terminou com 16,6 – ante 17,8 da trama de Elizabeth Jhin.

No PNT, o folhetim protagonizado por Julia Dalavia, Renato Góes e Alice Wegmann acumulou 21,7 pontos: cerca de 15,4 milhões de brasileiros atingidos.

Já na média domiciliar em São Paulo, “Órfãos da Terra” se tornou a quarta novela mais vista da década às 18h, com 1.58 milhão de casas sintonizadas durante seus 154 capítulos – à sua frente, apenas “Tempo de Amar” (1.60 milhão), “Novo Mundo” (1.68 milhão) e “Eta Mundo Bom!” (1.88 milhão).

Nenhum comentário:

Postar um comentário